24 de jun de 2011

Estar neste mundo

Estar neste mundo sem ser deste mundo
 Esse é o desafio, não é exatamente fingir ser algo que não é, pelo contrário, é existir sendo o que é num meio desfavorável, onde a maioria segue por uma escada rolante, enquanto outros por uma estrada de terra...
O problema da escada rolante é que não existe esforço algum, não existe iniciativa, não existe dedicação, foco, nem tão pouco objetivo nesse simples ato de existir...
O caminho esta diretamente ligado com a fé, quando olhamos para as vidas dos homens santos, assim o foram porque contataram a essência divina em seu interior, ou seja, foram pessoas comuns que sentiram sua essência divina.
Essência que é chamada de Deus, conceito distante criado pela mente analítica, onde esperamos que esse homem barbudo sentado num trono escolha um de nós (pobres mortais) para falar, abençoar e cuidar..
Voltando à mente, quando pensamos, analisamos e deixamos nosso foco de atenção voltado para os pensamentos, para o turbilhão de emoções que mais se parecem com nuvens no céu que encobrem nossa mente, simplesmente sofremos, é fato! Direcionar esse foco para o coração, onde mora nossa essência divina, não só acalma a mente, como nos leva ao contato direto com o divino, que não é esse homem e sim nós mesmos em uma totalidade, sem fragmentações. Quando acessamos o divino, sentimos poder e plenitude, e nesse momento temos a real percepção do que é a Fé: a crença em nós mesmos!!!
Simplificar a vida, essa é a idéia!
O sofrimento consiste em acharmos que somos um rio poluído quando observamos nossas fraquezas e medos, mas somos parte do mar, temos tudo dentro de nós, como uma sementinha que ao brotar, se desenvolver e crescer vira uma arvore, assim somos, temos todo esse potencial energético para desenvolver, criar, manifestar e multiplicar!
Por isso, que nós viajantes, continuemos a percorrer o caminho, sem desistir ao se deparar com desafios e provações, porque não viajamos apenas para chegar ao destino final, viajamos para encontrar novos caminhos, para conhecer outros viajantes, para acompanhar os novatos ou para encontrar aquela curva do rio que um dia foi importante e que naquele momento não ensinou tudo o que precisava ensinar...
“O pó da estrada, o anseio de vislumbrar novas paisagens, o desejo de sentir como é a vida do outro lado da montanha, estão presentes no coração e não percebemos o quanto essas coisas são fortes e poderosas. São exatamente elas que nos mantém vivos e cheios de esperança...” pg. 98 As 7 Riquezas do homem santo. Volume 1
Elaine Bido 02/06/01 escrito depois de uma crise de insônia e dores fortes no estomago de tanto se preocupar com a vida...

Um comentário:

Postar um comentário

/